compartilhar

Entenda porque a migração para o mercado livre é uma tendência que beneficia consumidores e promove também a sustentabilidade.

Em 2012, com propósito de destacar a importância do desenvolvimento energético no mundo, foi criado o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos pela Assembleia Geral da ONU. O projeto evidenciou a necessidade do aprimoramento da tecnologia em busca de maior eficiência energética e sustentabilidade, priorizando o uso de fontes renováveis para a geração de energia.

Para 2030, o projeto pretende concretizar três principais objetivos pautados pela Agenda 2030 da ONU, “Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”:

  • Garantir acesso universal a serviços energéticos modernos;
  • Duplicar a taxa de melhoria da eficiência energética;
  • Dobrar a participação de energias renováveis na matriz energética global.

A Agenda 2030 da ONU é um guia para as ações da comunidade internacional nos próximos anos e possui 17 objetivos integrados e indivisíveis que atendem às três dimensões do desenvolvimento sustentável: a econômica, a social e a ambiental. Em relação ao tema de energia, destacam-se:

  • O ODS13: “Ação contra a mudança global do clima: Adotar medidas urgentes para combater as alterações climáticas e os seus impactos”
  • E o ODS7: “Energia limpa e acessível: Garantir o acesso a fontes de energia fiáveis, sustentáveis e modernas para todos”

Energia Renovável e Sustentabilidade

Este direcionamento global faz com que não apenas indústrias e empresas busquem cada vez mais eficiência energética em suas operações, como a perspectiva é que consumidores também passem a exigir essa postura das marcas que consomem. Sendo assim, o mercado livre de energia cresce no mundo a cada ano, pois além do viés da sustentabilidade, possui diversas vantagens, como:

  • Maior controle da qualidade e do serviço contratado, uma vez que é a empresa quem escolhe o fornecedor;
  •  Liberdade, pois a empresa negocia livremente o tipo de energia, a quantidade, o preço, a duração do contrato, dentre outras condições;
  • Como o fornecimento é feito por contrato, a negociação de valores e o cálculo estimado de demanda/ gastos são realizados com antecedência e podem ser projetados até o fim do período, sem sofrer com a volatilidade de preços do mercado. O maior controle de preços e a redução de custos de energia, já no curto prazo, aumentam a competitividade da empresa em seu mercado;
  • Diminuição da emissão de gases de efeito estufa e colaboração com metas e protocolos de sustentabilidade ao contratar energia de fontes renováveis;

O mercado de energia renovável no Brasil

No mundo, a energia utilizada provém, em maior parte, de combustíveis fósseis, ou seja fontes não renováveis, que são finitas ou esgotáveis, como: carvão, óleo e gás natural. Além de emitirem grande quantidade de gases de efeito estufa (GEE) para a atmosfera, a reposição dessas fontes na natureza é muito lenta.

matriz energética brasileira -1

Fonte: EPE - https://www.epe.gov.br/pt/abcdenergia/matriz-energetica-e-eletrica

Já no Brasil, atualmente mais de 80% da energia provém de fontes renováveis, sendo que a maior parte se concentra nas hidrelétricas, que é uma fonte de energia renovável e com baixas emissões de GEE. Isso faz com que a matriz elétrica brasileira emita pouco GEE comparada às de outros países. Veja o gráfico:

matriz energética brasileira -2

Fonte: EPE - https://www.epe.gov.br/pt/abcdenergia/matriz-energetica-e-eletrica

Perspectivas

Para 2021, o mercado livre de energia elétrica deve continuar em expansão por conta das vantagens econômicas que oferece, pela contribuição para a redução de GEE através do consumo de fontes renováveis, do avanço da regulação do mercado livre no Brasil, bem como pela futura abertura do mercado, que permitirá que consumidores de baixa tensão também tenham acesso a esse tipo de energia.

Preencha os campos abaixo para saber se sua empresa pode migrar para o Mercado Livre de Energia: