compartilhar

Em 15 de agosto de 2014, foi assinado o aditamento ao contrato celebrado entre a CCEE e um pool de 13 bancos * para viabilizar uma segunda linha de crédito, objetivando captar novos recursos para a Contra-ACR, no valor de R$ 6,58 bilhões, a serem utilizados pelas distribuidoras de energia elétrica para quitação de débitos relativos à exposição involuntária no Mercado de Curto Prazo – MCP e o custo de acionamento das usinas termelétricas.
A primeira linha de crédito terá custo de Certificado de Depósito Interbancário (CDI) + 1,9%, enquanto a segunda linha terá custo de CDI + 2,35%.
O acréscimo de custo do financiamento, muito provavelmente, deve-se a maior percepção de risco por parte dos bancos.
Também merece destaque a participação dos bancos públicos, sendo responsáveis por 67,38% do montante total da segunda linha de crédito.
Em 19 de agosto de 2014, a ANEEL publicou o Despacho nº 3.186, através do qual fixou os valores dos recursos da Conta-ACR a serem repassados às distribuidoras, até 28 de agosto de 2014. O montante total repassado é de R$ 1.840.245.457,17.

* Participam deste pool as seguintes instituições financeiras: Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), Barinsul, Banco de Brasília (BRB), Banco do Brasil, Bradesco, BTG Pactual, Caixa Econômica Federal, Citibank, Credit Suisse, Itaú Unibanco, JP Morgan, Bank of America Merrill Lynch e Santander.
Observação:

A ANEEL alterou a ordem de deliberação dos processos na Reunião. O processo da Elektro será deliberado nos próximos minutos. O processo da CEB será deliberado no período vespertino.

Por ora, foi deliberado somente o processo da Força e Luz Coronel Vivida – FORCEL. As novas tarifas estarão vigentes a partir de 26 de agosto de 2014. O efeito médio a ser percebido pelos consumidores cativos é de +32,13%