Destaque

Mercado livre de energia: como as empresas estão se tornando mais competitivas

Por Comerc Energia 02/06/2020

Compartilhar

Mercado livre de energia: como as empresas estão se tornando mais competitivas

Por Comerc Energia 02/06/2020

Redução de custos, previsibilidade orçamentária e liberdade para negociação são vantagens cada vez mais procuradas por consumidores de energia

Sua empresa tem previsibilidade orçamentária ou liberdade de negociação com os fornecedores de energia?

Essas são algumas das vantagens do mercado livre de energia. E temos uma boa notícia para você, esse pode ser o momento certo para sua empresa migrar para esse mercado.

Diante do cenário de crise e incertezas, como o que estamos vivendo, muitas empresas buscam estratégias para se tornarem mais competitivas e alternativas para reduzirem custos sem afetar seus resultados. E a resposta pode estar na gestão da energia elétrica.

Estar em um ambiente de livre contratação, com a possibilidade de negociar seus contratos, preços e condições pode ser a melhor alternativa para empresas que buscam se destacar entre seus concorrentes.

E isso já foi compreendido pelo setor industrial, pois 80% de todos os consumidores industriais já estão no mercado livre de energia. A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) já soma mais de 9.000 agentes nesse mercado e a tendência é aumentar.

Por que é o momento certo para migrar?

As vantagens deste momento são os preços de energia de longo prazo que estão abaixo dos preços do mercado cativo. Ao negociar os contratos com os fornecedores agora, a empresa pode garantir a economia e previsibilidade orçamentária para médio e longo prazo.

O que muitos não sabem é que a migração para o mercado livre de energia pode levar, no mínimo, seis meses. Esse é o tempo necessário para cancelar o contrato de energia já firmado com a distribuidora no mercado cativo.

Os estudos e negociações podem começar agora, mas os contratos e respectivos pagamentos começam a valer a partir do momento da efetiva migração.

Como migrar para o mercado livre de energia?

Para migrar para o mercado livre de energia, o consumidor precisar ter, no mínimo, 500 kW de demanda contratada e estar no Grupo A (alta tensão). Porém, com a redução dos preços de energia, alguns consumidores com uma demanda um pouco menor têm apresentado viabilidade econômica.

Caso queira realizar uma análise de viabilidade, clique aqui para enviar as suas últimas faturas de energia.

No webinário “Dos benefícios à migração”, nossos especialistas explicam passo a passo para a migração. Confira:

 Leia também: Como migrar para o mercado livre de energia

Mercado cativo é inflexível

Uma característica do mercado cativo que pode trazer muitas desvantagens ao grande consumidor de energia é a inflexibilidade, ou seja, não há oportunidade de negociações e escolhas.

O consumidor fica dependente de bandeiras tarifárias e volatilidade dos preços, que são colocados pelas distribuidoras e não são acordados previamente.

Já no mercado livre, ele pode negociar condições de pagamento e contratos diretamente com seu fornecedor de energia (gerador ou comercializador), acertando todos os detalhes de acordo com suas particularidades.

Mercado livre de energia em expansão

Projeto de Lei do Senado nº 232/2016 está avançando no legislativo e apresenta um cronograma de abertura gradual do mercado livre. Em até 42 meses após a sua aprovação, todos os consumidores (de qualquer carga e tensão) poderão se tornar um consumidor livre.

Esse modelo já é uma realidade em muitos países e está cada vez mais próximo no Brasil. Mas, é claro, que esse caminho precisa ainda de muitos ajustes para ser trilhado.

Leia também: Abertura do mercado livre de energia cada vez mais próxima

Para entender melhor como essa pode ser uma alternativa viável para seu negócio, gravamos um episódio do Comercast. Confira na íntegra:

E caso tenha qualquer dúvida, mande um e-mail para faleconosco@comerc.com.br

0 Comentários