Migrei para o Mercado Livre de Energia. Quais são os próximos passos?

Webinário de maio da Comerc Energia mostrou os principais pontos do processo de migração para o mercado livre de energia

O mercado livre de energia é uma ótima alternativa para a redução de custos em um negócio, mas o processo de migração, muitas vezes, gera dúvidas e certa insegurança no consumidor.

O processo de migração leva, pelo menos, 6 meses, uma vez que existem algumas medidas que o consumidor precisa tomar até que ele, de fato, se torne livre. Primeiramente, o consumidor deve fazer uma denúncia de contrato junto à antiga distribuidora e passa a aderir à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), instituição que viabiliza a comercialização da energia. Após isso, ele deverá abrir uma conta no Bradesco, na agência Trianon, que passará a ser sua conta do mercado livre de energia e, por fim, precisará adequar todo seu sistema de medição de energia.

As ferramentas contratuais do mercado livre de energia

O que mais gera economia para um consumidor do mercado livre de energia é a compra da energia diretamente de um fornecedor, por meio de um contrato que oferece ferramentas para adequar o volume de energia que o consumidor compra ao perfil de consumo que ele tem mês a mês, denominadas Sazonalização e Flexibilidade.

Para entender um pouco mais sobre os conceitos de Sazonalização e Flexibilidade, fizemos um vídeo do Comerc Explica.

Um exemplo prático é caso de um Shopping Center. Por ter uma maior demanda de energia em janeiro, no verão, com o uso do ar-condicionado, terá um consumo maior. Já no meio do ano, devido às baixas temperaturas, seu consumo fica ameno, voltando a subir no final do ano.

A Sazonalização servirá para distribuir essa energia durante esses picos de consumo, e a Flexibilidade, para ajustar o que de fato ele consumiu naquele mês. Essas medidas são definidas por meio de um estudo previamente feito por nossos especialistas aqui na Comerc Energia, com cálculo do percentual indicado de acordo com a carga de cada consumidor.

Fonte: Comerc Energia

 

O que é o balanço energético

As operações de adequação da energia ao perfil do consumidor são realizadas do primeiro ao oitavo dia útil do mês. Nossos especialistas avaliam como foi o consumo naquele mês para realizar a compra da energia.

O cenário ideal é quando a energia consumida é igual à energia contratada, ou seja, que o cliente consuma exatamente o que havia previsto no contrato. Porém, se ele consome menos do que contratou, há a possibilidade de fazer a Cessão de energia, uma ação amparada pela Portaria 185 e a Resolução Normativa 611, que permitem ao consumidor livre vender essa sobra para algum terceiro.

Caso falte energia, nossos especialistas buscam algum fornecedor que possa repor essa quantidade, e o que muda na hora do pagamento é que esse montante adicional virá em uma nova nota fiscal.

Fonte: Comerc Energia

 

O PLD e a CCEE

Quando existe uma sobra ou uma falta de energia, o valor para compra ou venda é definido de acordo com Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), que é formado de acordo com diferentes variáveis.

Entenda um pouco mais sobre o que influencia os preços de energia. As chuvas, por exemplo, ainda têm grande impacto na formação do PLD.

O PLD é o custo da geração de energia do país, categorizado por subsistemas (Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Norte e Nordeste) pela Câmara de Comercialização de Energia (CCEE), por meio da regulamentação da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Dependendo de qual região do país o consumidor se encontra, e caso precise comprar energia adicional ou vender, o custo vai ser uma média ponderada das semanas ao longo do mês vigente daquela área.

O que é DEVEC

Uma dúvida frequente entre os recém consumidores do mercado livre de energia é quanto aos impostos cobrados na fatura de energia.

A Declaração do Valor de Aquisição da Energia Elétrica em Ambiente de Contratação Livre (DEVEC) é um convênio firmado pelos estados Mato Grosso, Santa Catarina, Sergipe, Bahia, Goiás, Maranhão, Rondônia, Pernambuco, Paraná e Rio de Janeiro para a cobrança do ICMS, encargo de energia elétrica, por parte da distribuidora. Ele deve ser declarado mensalmente pelos consumidores livres desses estados pelo site da Secretaria da Fazenda, do quanto de energia ele contratou e do preço que foi pago.

Todos os encargos setoriais serão efetuados na conta do Bradesco que o consumidor abriu, e o papel de uma Gestora de Energia é amparar o cliente com as informações de valores e datas que deverão estar disponíveis.

Comerc Explica – Webinário

O webinário “Migrei para o Mercado Livre de Energia. Quais são os próximos passos?” apontou as principais dúvidas do consumidor em relação à migração para o Mercado Livre de Energia.

Nossos especialistas Marcelo Borges, Coordenador de Relacionamento, e Mônica Diniz, Executiva de Relacionamento, explicaram sobre as rotinas com o fornecedor de energia, distribuidoras, contribuições associativas, penalidades, balanço energético, flexibilidade, sazonalidade e muito mais.

Confira o vídeo completo e deixe suas dúvidas nos comentários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nome *