Veículos e autopeças abrem 2019 com freio de mão puxado, apura Índice Comerc

Protagonista no mês de janeiro, diante de noticiário negativo em relação ao possível fechamento de fábricas de grandes montadoras, setor teve crescimento tímido no consumo de energia

O setor de Veículos e Autopeças iniciou o ano de 2019 com o freio de mão puxado. Segundo levantamento do Índice Comerc, o segmento registrou tímida alta no consumo de energia (1,26%) no mês, se comparado a janeiro de 2018.

“O que surpreende na estatística não é o crescimento tímido, que é comum a um mês em que o número de dias úteis acaba sendo reduzido, em razão do ano novo e resquícios das férias coletivas, mas pelo fato de parte importante do consumo estar concentrado em algumas fabricantes em especial”, explica Marcelo Ávila, nosso vice-presidente de Operações..

O setor de veículos fechou 2018 com crescimento no consumo de energia elétrica na ordem de 7,93% e ocupa papel importante nesse mercado. “É um cenário para acompanharmos de perto, tendo em vista a alternância de boas notícias, como o crescimento em janeiro de licenciamentos de veículos automotores em 10,24%, segundo a Anfavea, e a abertura da fábrica da Honda em Itirapina que estava fechada por três anos, e más notícias, como o fechamento de unidades de produção no ABC Paulista”, diz o executivo.

Fonte: Comerc Energia

 

O mês de janeiro foi de retomada forte na produção para o setor de Eletromecânica, que registrou crescimento no consumo de energia superior a 8%, segundo apurou o Índice Comerc. O resultado é o maior registrado nos últimos 8 meses para o segmento, que fechou 2018 com acumulado de 4,66%.

O mesmo não pode se dizer do setor têxtil, de couros e vestuário, que registrou forte queda de 4,11% no período. “Chamou nossa atenção o fato de que a queda foi em praticamente todas as empresas desse setor, não havendo um único fator no mercado que tenha motivado a retração. Além disso, estamos falando de um segmento que registrou um 2018 de altos e baixos, com seis meses de crescimento no consumo de energia e os outros seis de retração”, explica Ávila. No entanto, ainda se mantém um clima de otimismo para o ano de 2019. Segundo previsão da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), o segmento deverá ter crescimento de 3,5% na produção, com a criação de 20 mil novas vagas de emprego.

Consumo consolidado de energia

 

Após fechar 2018 com crescimento acumulado de 5,73%, o consumo consolidado de energia iniciou este ano com um resultado mais tímido: crescimento de 2,25% se comparado aos números de janeiro do ano passado.

O Índice Comerc Energia, publicado mensalmente, leva em conta o consumo das cerca de 1900 unidades na sua carteira, pertencentes a mais de 910 grupos industriais e comerciais que compram energia elétrica no mercado livre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nome *