Em clima de eleições, todos os setores da economia registram alta no consumo de energia em outubro

De acordo com o Índice Comerc, em mais de três anos, crescimento em todos os 11 setores pesquisados foi registrado somente uma única vez, em abril de 2018

A realização das eleições nacionais serviu de incentivo para que empresas dos mais variados setores do País ampliassem suas produções. De acordo com dados do Índice Comerc, todos os 11 mercados pesquisados registraram incremento no consumo de energia elétrica no mês de outubro.

“Trata-se de um fenômeno raro, visto somente uma vez (abril/2018) no decorrer de quase 40 meses. Avaliamos esse resultado como uma soma de fatores: um maior número de dias úteis na comparação com outubro de 2017, retomada no otimismo das empresas, que visualizaram um potencial de mudança nos resultados do pleito nos mais diferentes níveis, além de um incremento na produção visando as festas de final de ano que já se aproxima”, explica Marcelo Ávila, vice-presidente da Comerc.

O crescimento é puxado pelo setor de veículos e autopeças, que após registrar o pior consumo de energia em mais de um ano no mês de setembro, voltou a crescer 8,26%. Em seguida aparecem eletromecânica (6,58%), têxtil, couro e vestuário (6,13%) e indústria química (6,06%).

Os setores de alimentos e comércio e varejista também tiveram mudanças no perfil de consumo, se recuperando de quedas consecutivas – respectivamente três e cinco meses de consumo negativo, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Consumo consolidado de energia

Entre janeiro e dezembro de 2018, o consumo de energia elétrica no Brasil permaneceu praticamente estável na comparação com os mesmos 10 meses do ano passado, com alta de 0,76%.

O Índice Comerc Energia, publicado mensalmente, leva em conta o consumo das cerca de 1.600 unidades na sua carteira, pertencentes a mais de 820 grupos industriais e comerciais que compram energia elétrica no mercado livre.