Baterias para armazenamento de energia é tema de apresentação da Comerc em evento do setor

Comerc fala sobre bateria que armazena energia no 7º Encontro Nacional dos Consumidores de Energia

Baterias para armazenamento de energia: esse foi o tema da palestra que nosso diretor da Comerc ESCO, Marcel Haratz, apresentou no 7º Encontro Nacional dos Consumidores de Energia.

O evento, organizado pelo Grupo Canal Energia, aconteceu nos dias 3 e 4 de outubro e reuniu consumidores comerciais e industriais, bem como empresas e órgãos do setor elétrico. Ele foi pautado em quatro grandes temas: Mercado Livre, Eficiência Energética, Autoprodução e Geração Distribuída, e Tecnologia e Inovação.

Marcel apresentou dentro do ‘Painel 4: Estruturando Projetos De Eficiência Energética’, no dia 4 de outubro. Em sua apresentação, nosso executivo mostrou qual é a equação para a disrupção do setor elétrico, em que medidores inteligentes, eficiência energética, geração solar e o uso de baterias para o armazenamento de energia resultarão no empoderamento do consumidor, redução no consumo, maior confiabilidade e energia limpa.

“O Brasil tem um grande potencial para evoluir esses pontos que transformarão o setor elétrico. Mas ainda temos alguns pontos que precisam ser trabalhados para que essas novas tendências engatem no país”, conta Marcel.

O potencial da eficiência energética no Brasil

Um estudo feito pela Comerc ESCO, com base em dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), mostra que em 2020 o Brasil poderia economizar R$ 6,6 bilhões em energia (industrial e comercial) com eficiência energética, o que soma mais de 23 milhões MWh de consumo.

Outro dado alarmante é o desperdício de energia dos últimos três anos. Foram 143.647 GWh desperdiçados, o equivalente a um quarto da geração de Itaipu em 2016, totalizando R$ 61,7 bilhões.

No Acordo de Paris sobre o Clima COP-21, o Brasil colocou como meta ampliar a eficiência energética do país em 10% até 2030, mas quando falamos de investimento, o Brasil tem apenas US$ 3,29 por pessoa em eficiência, enquanto a Alemanha investe US$ 318,49 por habitante.

Indústria é a grande consumidora de energia

Segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), a indústria brasileira é responsável por 41% do consumo de energia elétrica do país. Sendo que motores elétricos, refrigeração, ar comprimido e iluminação representam, juntos, mais de 50% dos custos em energia de uma indústria.

Equipamentos modernos, iluminação a led e troca de motores são algumas das soluções eficientes que uma indústria pode ter para reduzir o seu consumo e, consequentemente, seu custo.

 

Expansão da energia solar

No Plano Decenal de Expansão de Energia 2026, do Ministério de Minas e Energia, tem a estima-se que, em 2026, o Brasil terá cerca de 770 mil adotantes de sistemas fotovoltaicos, totalizando 3,3 GWp, suficiente para atender 0,6% do consumo total nacional.

“A evolução da tecnologia para instalações fotovoltaicas está muito rápida. Em 3 anos, os custos de uma placa solar reduziram pela metade. Daqui a alguns anos, esse investimento será muito menor”, relata Haratz.

O executivo também falou sobre os avanços da Geração Distribuída, que hoje tem mais de 39 mil conexões de micro e minigeração. Nesse cenário, a figura do Prossumidor (consumidor que gera a própria energia e também pode vender o excedente) cresce no país.

Baterias para armazenamento de energia

Para finalizar a sua apresentação, Marcel falou sobre a tendência do uso de baterias para armazenar energia. Com elas, o consumidor poderá armazenar energia em um horário que a tarifa é menor e consumir no horário de ponta, quando o custo é maior.

Essa tecnologia traz diversas vantagens para o consumidor. Redução do consumo no horário de ponta, rápido backup e fonte limpa de energia são algumas delas.

As perspectivas para esse setor são muito positivas. A previsão é que o investimento até 2050 seja de US$ 548 bilhões, e até 2025, tenhamos 1,2 GW de potência armazenada. E os custos também têm forte tendência de diminuição. Desde 2010, o preço das baterias de íon de lítio caiu 80%.

A MicroPower-Comerc chegou para investir nesse negócio e trazer soluções de baterias aos clientes.

“O consumidor/prossumidor terá empoderamento para tomar as melhores decisões para o seu negócio ou até para a sua casa. Ele será livre para escolher uma solução e a tendência é que o payback seja cada vez mais rápido, uma vez que os valores para investimento tendem a diminuir”, conclui Marcel.

Comerc leva energia aos participantes do ENCE 2018

Além de ser patrocinadora do evento, a Comerc Energia realizou uma grande ação no Encontro Nacional dos Consumidores de Energia 2018.

Ao chegarem, os participantes encontraram, em seus lugares, um ponto para carregar o celular com a marca da Comerc Energia, reforçando as principais soluções que a Comerc apresenta aos seus clientes e parceiros, como: compra e venda de energia e a redução de custos com energia.